Aqui não há jacarandás...

 

 

Hoje, sábado, ficamo-nos por Montreal. O céu embora nublado prometia não chover e a temperatura  era amena, portanto decidimos fazer um grande passeio pelo  Plateau .  O Plateau como já disse é encantador, de casas baixas, ruas tranquilas e ladeadas de arvores  ao longo dos passeios.

 Percorria eu calmamente a Rue St Urban quando me vieram à ideia os Jacarandás e Lisboa, que nesta altura deve estar coberta de azul… Pensei também no meu jacarandá que lá no meio do meu jardim já deve estar também em flor!

Depois veio-me à ideia o espanto que um dia senti (na já remota primavera do ano de 1964 quando descendo o Parque Eduardo VII a caminho da paragem do 38, que me levaria à Faculdade), ao reparar que  o céu azul de Lisboa parecia chegar ao chão! Vejo então que eram os jacarandás (e nessa altura não lhe sabia o nome) que, vistos lá mais de cima, davam essa ilusão!

 

Talvez ninguém se tenha ainda lembrado de promover o tempo dos jacarandás em Lisboa (como o das tulipas em Ottawa), e de organizar qualquer coisa como “na rota dos jacarandás” aquilo que por aqui se chamam de walking tours que passasse por Belém, pelo Restelo, Avenidas Novas, Campo Pequeno não esquecendo o Parque Eduardo VII e já agora , embora com jacarandás com  pouco mais de dez anos,a Alameda dos Oceânos no Parque das Nações derivando para uma  pequena e empedrada rua a que deram o feliz nome de Passeio dos Jacarandás… Tenho a certeza que os amantes da natureza mesmo que em meio urbano haveriam de aderir a este fascinante passeio onde o céu quase chega até nós.

 

Não, aqui os jacarandás não existem ( salvo algum exemplar nas estufas do Jardim Botãnico) pois eles são bem lá das latitudes do sul e como tal incompatíveis com este clima continental!

 

Para quem, de repente, não se lembra de como são os jacarandás aqui fica duas fotografias que eu fui procurar na internet.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 00:18 | link do post