Hoje fomos ao Circo!

 

 

 

 

     

Fazia parte do serviçode babysitting levar as três crianças ao circo pois a empresa do Jorge ofereceu bilhetes às crianças e a quem as acompanhasse. Como os pais foram para Roma eu e a Lena lá nos aventuramos a leva-los.

Eu acho que nunca mais fui ao circo desde que deixei de ser criança. Agora podem perguntar: e nem mesmo com os teus filhos? È verdade, mas nem por isso eles deixaram de ir, na idade própria, pois lá estava a tia Lélé que os levou ao Coliseu e além disso já foram do tempo que a Escola também os levava…

Assim passaram-se mais de 50 anos em que eu não entrava debaixo da cúpula de um circo e  mesmo estando em Montreal, cidade do  Cirque du Solei nunca senti vontade de ir vê-lo. Daqui se conclui que realmente não aprecio muito este tipo de espectáculo.

 Evidentemente quando criança tudo aquilo me fascinava, desde os vestidos de lantejoulas das trapezistas, passando pelas feras e sobre tudo os pelos palhaços, o Palhaço Rico e o Palhaço Pobre que, coitado, sofria sempre os estalos do primeiro o que nos arrancava grandes gargalhadas! O circo de hoje tinha palhaços, mas não daqueles!

  

 O Circo Chen estava na antiga Feira Popular, o dia estava chuvoso e o Circo absolutamente superlotado de crianças e de pais. Não fiquei convencida que os meus netos se deslumbrassem tal como eu e os meus irmãos nos deslumbrávamos na nossa meninice. São os tempos actuais em que a Televisão mostra tudo e inclusivamente explica os truques dos mágicos : como um homem atravessa uma parede de betão ou o homem que é serrado ao meio sem deitar gota de sangue… uma pena pois a magia do homem que faz sair o coelho da cartola perdeu-se irremediavelmente.

Claro que, como tudo, também o circo é mais ou menos mágico, tudo dependente dos olhos de quem o vê, porém  ele continua a ser um ex-líbris do tempo de Natal!

 

Interrompi este mail que agora recomeço porque entretanto tocou a campainha que anunciava os pais das três crianças…

 

publicado por naterradosplatanos às 23:32 | link do post | comentar