Quinta-feira, 30.09.10

Não é para fazer inveja, diz a Susana...

 

 

 

       

 

 

  A Susana acaba de regressar a Geneve depois de um congresso que teve lugar em Lisboa e diz-me ela:  - Lisboa está linda, indiferente à crise ! E eu só posso dizer, ainda bem!

 

 Há dias li um artigo de uma qualquer entidade estrangeira que nós estavas no 11º lugar entre 19          países observados relativamente a maneira como os povos se viam a si mesmo como nação assim como se disséssemos a “auto-estima “ dos países, o primeiro da lista era a Austrália e o 2ª a sentir-se feliz, o Canadá!

 

É mesmo um “fado” esta ideia miserabilista de como nos vemos! Sempre que podemos acrescentamos às nossas observações, “só neste país”!

 Havíamos  de pagar multa cada vez que disséssemos isto. Também fazia bem que fossemos a outros países, não como turistas, mas para trabalhar, viver uns tempos, ler os jornais… então veríamos que também há gente que cospe no chão, veríamos que há dezenas e dezenas de pedintes com ar de quem não toma banho há muitos meses e que nos estendem a mão, que também há lixo nas ruas,”graffitis” nas paredes … escândalos no governo, nos negócios, o governo a aconselhar os médicos a mandarem fazer menos exames de diagnóstico para os hospitais baixarem as despesas, ter o mínimo tempo os doentes nos hospitais e num artigo, até se sugeria que não vale a pena gastar muito recursos com quem está já sem esperanças! Dito assim têm que concordar que é muito cru!

 

Talvez este dia cinzento e chuvoso me leve a escrever este post tão pouco interessante, realmente hoje estou mesmo in the blue! Espero que mais umas sugestões sobre o meu presente me possam fazer esquecer este dia cinzento.

Tenho a certeza que as vossas hipóteses pelo menos me hão-de fazer sorrir!

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 16:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 29.09.10

Mais umas dicasinhas...

 

   

Como a Susana já chegou de novo aqui e como também ela não acertou aqui vai mais uma dica.

 

As respostas, dado que eu disse tão pouco até foram bastante imaginativas: do galinho de Barcelos que muda de cor (Kátia e Neca),  pelo ácer da Lena, ainda o recipiente com terra e sementinhas lá dentro (Susana, Lena e Olinda) e ainda um conjunto de ferramentas de jardinagem última da Kátia, (realmente com o uso até mudam de cor quando se enferrujam), e ainda uma cerâmica para pintar e portanto matar tempo…

Todas elas me deixaram um sorriso nos lábios mas realmente nenhuma delas corresponde ao presente que recebi.

 

Vejamos, como disse é castanho claro e vai mudar de cor, agora acrescento mais, tem várias partes, é útil e vou deixar experimenta-lo a todos/as que quiserem e acreditem que vão adorar!

 

Vamos lá, mais umas tentativas!

publicado por naterradosplatanos às 14:13 | link do post | comentar | ver comentários (15)
Domingo, 26.09.10

Recebi um presente!

 

Recebi um presente!

 

Sim, eu sei que ainda falta muito tempo para fazer anos mas de facto connosco os presentes não têm dada marcada, não nos damos presentes nos anos, nem no Natal nem sequer para comemorar o dia em que resolvemos juntar as nossas  vidas!  Assim damo-nos presentes quando achamos que encontramos qualquer coisa que o outro desejava e por isso o vai fazer feliz!

 

Assim há dois dias recebi um presente que me tornou feliz e consequentemente  o fez feliz também. Sim porque o presente deve trazer felicidade não só a quem o recebe mas também a quem o dá. De outra forma, é daquelas  situações  que têm inevitavelmente sempre por detrás  o  “que maçada, tenho que comprar um presente…” !

 

Vejamos, o meu presente é castanho claro mas acho que vai mudar de cor…

 

Querem adivinhar?

 

Prémio: algo feito com os produtos das minhas “Sete Quintas”, nome que a Patrícia deu ao meu bocadinho de terra lá por de trás do jardim e que eu vou revitalizar a partir da próximo Abril.

publicado por naterradosplatanos às 18:48 | link do post | comentar | ver comentários (26)
Sábado, 25.09.10

Lembram-se das macieiras (maçãs) de antigamente?

 

 

 

      

A maior parte dos que me lê com certeza que se lembra, os mais novos talvez não porque já são do tempo das maçãs standardizadas: todas amarelas, ou todas verdes, ou ainda todas vermelhas e ultimamente riscadas.

 

 Para aqueles que viram uma macieira por esta altura do ano, carregadinha de maçãs de todos os tamanhos e feitios verá que a comparação que faço tem todo o sentido.

 As maçãs começavam aos poucos a ficar rosadas do lado em que lhes batia o sol e a mancha que começava pequena ia-se alargando e tornando mais vermelha…

 

Mas mesmo que não pareça, o post de hoje não é para falar nem de maçãs nem de macieiras mas sim para lhes mostrar o deslumbramento que senti quando ontem, caminhando lentamente me embrenhei  pelos caminhos do Parc Mont Royal!

Aos poucos a natureza decidiu mudar de cor, repito aos poucos, porque o verde ainda domina a paisagem e daí a surpresa quando olhamos e vemos que, tal como as macieiras, os áceres se 

começam a pintar de vermelho! 

 

 Lá muito no alto e rodeado de verde aparece um cacho de folhas verdadeiramente fulgurante, mais além uma árvore em que só as pontas dos ramos se pintaram ainda! Vista de longe parece florida com flores alaranjadas em cachos ou carregada de frutos, a reflectir-se no lago...

 

Absolutamente maravilhoso!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 00:05 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Sexta-feira, 24.09.10

RED BUGS

 

 

 

Sabem o que são bed bugs? Se forem ao dicionário encontrarão a palavra percevejo !

 

 Só de pensar na palavra fico com comichões apesar de não me lembrar de alguma vez ter visto algum. Ouvir falar, ouvi, a Glória, criada da minha avó (nessa altura o termo era normal e nada pejorativo) que preencheu o nosso imaginário infantil com, além das histórias de fadas e duendes, princesas, rainha e reis mauzões como o da história do Barba Azul, também com outros conhecimentos menos fantasiosos. Assim lembra-me de ela contar que os percevejos caíam do tecto em cima das pessoas quando elas estavam a dormir! Podem imaginar o impacto que isto tinha em nós…

 

 Os anos passaram e nunca mais ouvi falar de semelhantes seres até que há umas semanas atrás vi uma pequena referência a eles mas que, na altura,  até nem dei grande importância. Mas não é que anteontem o The Globe and Mail trazia uma página quase inteira sobre o assunto?

A notícia diz entre outras coisas, como poderão ler nas fotografias do jornal, que no ano 2009 em Toronto foram comunicados às autoridades sanitárias 1500 casos, este ano até Agosto, 1334 e neste mês de Setembro  que ainda não acabou, 258 casos!!!

 

 Segundo se lê no artigo, Toronto não é caso único! E como devem imaginar a maior parte das pessoas não tem coragem de se expor dizendo que tem percevejos em casa e, que por isso, os casos serão muitos mais.

 

Se eu estivesse aí e alguém me contasse, juro que não acreditava, mas eu li e já por duas vezes!

 Isto num país do primeiro mundo deixa-me sem comentários, fico à espera dos dos  meus leitores/as.

 

P.S.  Hoje o post não é lá muito bonito, mas é que por aqui também há coisas destas...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 00:10 | link do post | comentar | ver comentários (8)
Quinta-feira, 23.09.10

Hoje " Na Terra do(s) Plátano(s)" faz 100 dias!!

 

 

  

Quando comecei este blog nunca pensei que gostasse tanto de aqui me encontrar com todos os que me lêem, nem que conseguisse chegar a este número!

 Agradeço aos meus filhos que tanto me incentivaram a escrevê-lo, ao Jorge que mo arquitectou e que lhe deu este aspecto de que tanto gostei, depois a todos os que o vão espreitar mas sobretudo aos/às que têm a paciência de o comentar mais assiduamente: à Lena que o faz diariamente, à Kátia, à Susana que me lembrou que o blog deve ter qualidade, à minha mãe que quando está sozinha também o faz, à minha tia Dalma que, de vez em quando, também por aqui passa, à Mª Cândida que podia ser mais assídua, aos meus irmãos que de tempos a tempos dizem alguma coisa e por último à minha colega Olinda que há dois dias se resolveu a entrar nesta “porta” que está sempre aberta e cuja dona está sempre ansiosa que alguém por ela entre!

 

publicado por naterradosplatanos às 00:05 | link do post | comentar | ver comentários (10)
Quarta-feira, 22.09.10

Le Poutine

 

 

 

Logo nos primeiros tempos do meu blog e a propósito de me ter referido à primeira ida do Zé ao restaurante, alguém, penso que a Kátia, me perguntou qual era a comida mais típica destes lados. Lembro-me de eu ter respondido que dado que isto aqui era um “pot pourri” de gente de todo o mundo, era natural que não existisse… Mas existe!

O prato típico do Quebec chame-se poutine (lê-se putsine) e tradicionalmente é constituído por batas fritas em palitos grossos (doble fried, quer isso dizer que levam duas frituras e ficam à beira de estarem queimadas) às quais se juntam cubos de queijo fresco e por fim, imediatamente antes de servir, um molho de carne escuro e quente  a que chamam “sauce brune”!

 É este o prato  que origina disputas entre os quebecanos quanto ao lugar de onde é originário… um pouco à maneira de Bragança e Mirandela na disputa das melhores alheiras!

 

Todos sabem que eu não aprecio ir ao restaurante mas desta vez a iniciativa foi minha tão curiosa estava de provar a controversa poutine. E assim lá fomos ao Vieux Port  onde há um restaurante que só serve a dita especialidade!

 

O aspecto é sempre o mesmo e as variações correspondem apenas à adição de peito de frango desfiado, carnes frias, camarões… que são espalhados por cima do queijo e, como disse, a que posteriormente se junta o dito “sauce brune”. Nós pedimos mais uma “César salad” para “cortar” um pouco toda aquela gordura!

 

Não sou especialmente apreciadora de comida mas garanto-vos  que naquela altura pensei: como é bom o “cozido à portuguesa”!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 12:16 | link do post | comentar | ver comentários (5)
Segunda-feira, 20.09.10

Tarde de “praia” no Mont Royal

 

 

Há algum tempo que tínhamos pensado ir à Poutine (lê-se putsine) e seria o assunto deste post, mas vai ficar para amanhã.

Bom, vejamos porque resolvi escrever sobre a “praia” de Montreal.

 Aqui os jogos do Sporting continuam-me a perseguir e assim ontem como era dia de jogo e eu não queria ficar em casa sozinha resolvi acompanhar o meu sportinguista até à Rua Dulut ( onde fica o café português e como tal onde se vê futebol). Aí ele virou à direita e eu segui em frente pela rua Saint Urban, pelo menos mais meia hora. Como nunca gosto de regressar pela mesma rua então resolvi ir apanhar a Avenida do Parque e ir por ali abaixo… A tarde estava de sol e a temperatura amena, estamos exactamente naquilo que eles chamam “verão índio”  e ali estavam eles centenas deles e delas a aproveitar os poucos dias de sol que lhes restam, antes do frio chegar!

 

Quando ainda de longe vi o parque, a sensação que tive foi exactamente a de uma praia da Linha do Estoril nos primeiros dias de verão! A única diferença era que as toalhas eram substituídas por mantas de xadrez, ou mesmo cobertores de flanela já com ar de terem ido ao parque muitas vezes! Bom, as pessoas também não estavam em fato de banho mas a roupa que traziam era bem ligeira. Já me esquecia de dizer que também havia vendedores ambulantes que, tal como aí, vendiam de tudo desde as roupas (algumas já para o frio de inverno) às bugigangas mais variadas.

 

A Avenida do Parque contorna-o ainda em alguma extensão, por isso eu continuei lentamente apreciando aquele lazer e até com certa inveja de não fazer o mesmo… Porém o mais interessante ainda estava para vir. A certa altura sinto música, uma espécie de batuque e vejo muita gente, claro, fui espreitar e como o parque é em declive até consegui um lugar privilegiado. Então o que era? Um “batuque” espontâneo, mas não sei se lhe posso chamar batuque, embora predominassem aqueles tambores, (eu também não sei se lhes posso chamar assim), que se põem no chão e se batem com as mãos!

Mas, estava eu a dizer que era uma espécie de batuque porque ali todo o instrumento era permitido, lá estava um que tocava flauta transversal, outro guitarra eléctrica, outro que roçava dois pauzinhos, outro ainda que resolveu o problema de não ter instrumento mais adequado e que agitava em cada uma das mãos uma lata de Coca-Cola,( presumo eu cheias de pedrinhas)!  Tudo isto ao ritmo do tam-taram-tam-tam, dado pelos tambores. Embora  não podendo, por falta de capacidade, não sei se do instrumento se de quem o tocava, de o ritmar com os restantes, lá estava a VUVUZELA, sim uma vuvuzela azul da qual o dono procurava extrair o som que todos conhecemos  mas penso que com grande esforço e penso, com pouco sucesso dado o número de vezes que descansava!

 Mas se há música há dança, toca pois a dançar e  claro, com aquele ritmo os novos tinham a primazia…

 

Adorei ver!

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 13:55 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 18.09.10

Será que o meu inglês me atraiçoou?

 

 

Às vezes penso que é o meu inglês que me atraiçoa…mas não foi o caso!

 

Nem podia crer no que estava a ler, li, reli, mas como ainda fiquei na dúvida tive que esperar que o Zé chegasse para eu me certificar do que o que lera era verdade. Afinal  sempre tinha percebido bem o que vinha escrito no The Globe and Mail  e por isso continuei  atónita…e ainda  estou!

Tudo o que vou relatar acerca da notícia vai documentado nas fotografias que tirei à folha de jornal. Os sublinhados que fiz foi para realçar o essencial e poupar algum trabalho às minhas/meus leitores menos práticos no inglês.

O cabeçalho da notícia diz o seguinte:

 Cell division: McGuinty ignites debate on where smart phones belong,  que poderemos traduzir penso que sem grande erro assim, Telemóveis dividem: McGuinty inflama o debate sobre onde os “smart phones” devem ser usados. Em sub-título : O Primeiro ministro do Ontário sugere que (os ditos) aparelhos que foram banidos do seu gabinete de reuniões sejam permitidos nas escola.

Como à primeira leitura e até à segunda se pode acreditar numa coisa destas?

A certa altura lê-se : O Primeiro Ministro do Ontário Dalton MCguintyna quarta-feira provocou uma agitação quando disse que estava aberto a uma mudança informalmente considerada pela Direcção das Escolas de Toronto em banir a ordem que proíbe o uso de telemóveis nas aulas.

. . . . . . . . .

A Direcção das Escolas de Calgary encoraja o seu uso como instrumento de aprendizagem…

. . . . . .

As Direcção das Escolas de Toronto consideram recuar na proibição, permitir usa-los como fazendo parte do Plano da lição! ( o plano seria  mais ou menos assim: hoje os alunos vão ensinar a professora a mandar uma mensagem em 5 segundos e a tirar uma fotografia sem ela dar por nada, ih, ih, ih…)

. . . . . .

Mais à frente: … o facto é que os telemóveis, os Blackberrys e semelhantes são destinados a informação e uma das coisas que nós queremos é que os nossos alunos andem bem informados.

 

A mensagem continua, os/as que quiserem saber mais leiam o artigo pois apesar das fotografias não serem nenhuma obra de arte dão para ler.

 

Queridas amigas que ainda estão nessas lides, cuidem-se pois esta novidades também se globalizam rapidamente!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 00:27 | link do post | comentar | ver comentários (6)
Quinta-feira, 16.09.10

A Kátia voltou a ganhar...

 

 

...mas está-me a parecer que foi porque viu algum igual lá pelo Nevada!  

É isso mesmo, por aqui o sinal de "tourist office" não é um i como estamos habituados aí na Europa, aqui é ? que dá essa indicação como podem constatar  pela fotografia que se segue e que normalmente como é em azul.

 

 

 

  

publicado por naterradosplatanos às 18:55 | link do post | comentar | ver comentários (2)

mais sobre mim

Setembro 2010

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
17
19
21
27
28

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO