A Biblioteca do Club Portugês de Montreal...

 

 

Como disse ontem, no Club Português de Montreal há uma pequena biblioteca  que eu espreitei enquanto a sessão não começava. Pareceu-me uma biblioteca “morta” porque os livros estão demasiado comprimidos entre si e a maior parte com ar de quem nunca foi folheado! São colecções antigas como o mostra o seu ar amarelado! Digo a maior parte porque como podem ver numa das fotografias, “ O Crime do Padre Amaro” está com ares de super utilização!!!

 

Enquanto eu fazia esta constatação apareceu-me ao lado o Sr. Pereira, que assim se apresentou. Mesmo não tendo perguntado nada (apesar da minha curiosidade) com receio de ser mal entendida, o Sr Pereira resumiu-me a sua vida: Era da Trofa, torneiro mecânico na Efacec do Porto, veio para o Canadá em 75 (para, segundo ele fugir a um divórcio), quando chegou não teve problemas de emprego , se bem que às vezes pense que se tivesse ficado também não teria sido mau. Falou-me das filhas de um 2º casamento e da mulher que ainda trabalha e é cozinheira. Disse-me que em 35 anos de Canadá já foi 22 a Portugal mas que nunca quis ir a Fátima nem ao Algarve… porquê não disse.Hoje está reformado (não me atrevi a perguntar qual era a reforma, o que agora me arrependo) e leva uma vida desafogada!

 À laia de aviso diz-me quase em segredo: - Tenha cuidado que aqui os portugueses estão muito divididos, pela política, pela religião (?) e pelo dinheiro! Fui acenando com a cabeça e pontualmente com palavras de circunstância não fosse eu ofende-lo com algum comentário que ele entendesse como menos próprio.

 

O Sr. Pereira é aquilo que no Alentejo se chama um sujeito castiço!

 

(Hoje às 19.30 há ranchos folclóricos no adro da Igreja de Stª Cruz dos Portugueses e eu estarei lá. Depois contarei)

 

 

 

 O Sr. Pereira é aquilo que no Alentejo se chama um sujeito castiço!

 

(Hoje às 19.30 há ranchos folclóricos no adro da Igreja de Stª Cruz dos Portugueses e eu estarei lá. Depois contarei)

 

 

 

 

publicado por naterradosplatanos às 22:57 | link do post | comentar